Buscar

BAIÃO DE DOIS


500 g carne-seca cortada em cubos grandes

1 xicara feijão verde ou fradinho

1 xícara arroz lavado

1 cebola picadinha

2 col sopa manteiga garrafa

2 folhas de louro

sal

Para o Acabamento:

20 g de queijo coalho cortado em cubos

100 g de bacon cortado em cubos

3 dentes de alho picados

1 cebola picada

3 col sopa manteiga de garrafa

6 talos de cebolinha picados

sal e pim do reino

folhas de coentro para decorar ( pode substituir por salsinha)

Para o Molho Lambão:

4 pimentas dedo de moça

2 tomates sem sementes picados

1 pimentão amarelo sem sementes, picado

1 cebola roxa picada

½ xícara azeite

suco de 1 limão

½ xicara vinagre branco

100 ml de água

2 col sopa de folhas de coentro ( pode substituir por salsinha)

sal e pim do reino

Pré aqueça o forno a 180º

Dessalgue a carne-seca deixando-a em água por 1 noite. Troque a água de 2 a 3 vezes

Deixe o feijão de molho, também na véspera

Escorra e coloque os cubos numa assadeira, leve ao forno por 6 a 8 minutos , até começarem a dourar, retire e reserve.

Coloque o feijão numa panela de pressão com 1 folha de louro, adicione água até 2 dedos acima do feijão cozinhe por 10 minutos após pegar pressão. Enquanto o feijão cozinha, desfie a carne-seca com dois garfos ou no processador e reserve.


Escorra, reserve a água do cozimento e o feijão separados.

Numa panela coloque a manteiga de garrafa e refogue a cebola

Quando murchar acrescente o arroz e a folha de louro. Cubra com duas xícaras da água do cozimento do feijão. Cozinhe até o ponto desejado, coloque a tampa e reserve.

Numa frigideira grande coloque 1 col sopa da manteiga de garrafa e acrescente os cubinhos de queijo. Deixe dourar dos lados, retire e reserve.

Na mesma frigideira coloque a manteiga de garrafa restante e doure os cubinhos de bacon

Acrescente a cebola e o alho e frite por 1 minuto

Coloque então a carne-seca desfiada, frite por 2 minutos e coloque ½ xícara da água do cozimento do feijão e cozinhe por mais 1 minuto

Adicione então o feijão e misture bem

Em seguida , vá soltando o arroz e colocando na frigideira

Acerte o sal e pimenta do reino

Por último coloque o queijo coalho frito e a cebolinha picada, mexa suavemente, decore comas folhas de coentro ( ou salsinha) e sirva

Molho Lambão:

Coloque numa tigela os tomates, pimentão, cebola, o coentro ou salsinha picados e 2 das pimentas cortadas em rodelas finas. Tempere com sal e pim do reino, cubra com o azeite e reserve.

Num mixer ou liquidificador bata as pimentas restantes ( se quiser menos picante, retire as sementes das pimentas), suco de limão, vinagre e água.

Despeje na tigela, misture e sirva juntamente com o Baião de Dois.


“Ó baião que bom que sois / Se o baião é bom sozinho, que dirá baião de dois”. Estes versos da música homônima de Luiz Gonzaga/1950 nomearam definitivamente este prato que é unanimidade absoluta no nordeste e, pra variar, com história e origem incertas Muitos especialistas entendem ter surgido no Ceará, seja fruto da escassez, onde misturava-se arroz e feijão sobrantes do dia para a refeição noturna, seja da seca. Roger Bastide no seu Brasil, Terra de Contrastes(1957), afirma que por falta d’água o arroz começou a ser cozido no caldo do feijão. Outra corrente alega ter nascido na Paraíba com o nome de Rubacão, inicialmente era feito com a carne desfiada da Avoante,Arribação ou Ribaçã - daí seu nome- depois com a escassez e posterior proibição da caça, foi substituída pelo feijão macassar( muito assemelhado ao fradinho) Com o tempo e as preferências regionais foram sendo adicionados ingredientes como charque, toucinho, queijo coalho e temperos como o pimentão, coentro e cebolinha. Variações regionais com Pequi no sul do Ceará e Leite de coco em Fortaleza Há quem conte que o Rubacão original levava arroz vermelho ( descendente do arroz que os portugueses trouxeram da China e que foi largamente plantado na Paraíba e Maranhão ), charque e manteiga de garrafa, ficando mais cremoso Sua versão mais usual , hoje em dia, leva além do feijão e arroz, carne seca desfiada, toucinho, queijo coalho e temperos. Aí, meus amigos, junta-se uma manteiga de garrafa pra umedecer, um molhinho de boa pimenta, uma cachacinha e viva o Nordeste !!!!


Os portugueses encontraram o arroz já no Brasil, onde , em tupi , era chamado de abati-uaupé, o milho das águas. Mas os índios não lhe davam atenção ou cultivo

A chegada dos negros, muito provavelmente introduziu o hábito de mistura-lo com feijão

Todos países/regiões que receberam escravos do grupo Sudanes, tem um prato nacional de arroz com feijão:


Senegal : Thiebou Nop Niebé

Cuba e Guatemala : Moros y Cristianos

Costa Rica : Gallo Pinto

Rep Dominicana : Congo ou Congri

New Orleans/USA: Red Beans & Rice

Haiti : Pois Pigeons

South Carolina/USA : Hoppin’ John

Venezuela : Pabelón Criollo

Guiana : Trini Palau

Porto Rico : Arroz com Gandules

Brasil : Baião de Dois, Rubacão

35 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo